quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Em dúvida entre racional e irracional.

Hoje quando fui deixar minha filha na escola, me deparei com uma cena que me deixou no mínimo descrente na redenção do ser humano. Um ‘filho de Deus’ colocou 6 filhotes mestiços de vira-lata com basset dentro de uma sacola, deu um nó e colocou na porta da escola. Eles devem ter no máximo 1 mês de vida e na hora, estava fazendo nada menos que 7°. Fico pensando, o que passa pela cabeça de uma pessoa pra fazer uma atrocidade dessas? Esse não é um caso raro, pelo menos na minha cidade há vários animais abandonados e nenhuma política para que o problema seja resolvido. Agora me responda, se uma pessoa não é capaz de ter compaixão e caridade por um animal, ela terá os mesmos sentimentos por um ser humano? Sim. Sabe por quê? Por que o ser humano tem a capacidade de falar, sendo assim, pode falar aos outros o nome do seu benfeitor. Na maioria das vezes, isso é o que motiva pessoas que se dizem caridosas a fazer algo por alguém. Os animais não falam, não podem espalhar aos quatro cantos quem foi a mão amiga que os socorreram.
E outra, no momento em que eu estava lá, conversando com a coordenadora da escola e dizendo que eu voltaria pra buscar os filhotes e encontraria um lar para eles, uma senhora de família tradicional que tem o filho estudando lá, foi questionada se queria um filhote para ela. A resposta?
- Deus me livre, odeio cachorro!
E eu que não consigo segurar minha língua dentro da boca, logo dei a resposta que ela merecia:
- Pra mim, pessoas que não gostam de animais, no mínimo não merecem confiança, pra não dizer pior.
Fui metralhada com um olhar daqueles, mas não me intimidei e não me intimido. É sim a minha opinião, uma pessoa que não gosta de animais não é digno de confiança, porque bom coração não possui. Estou errada? Uma pessoa que não se compadece com filhotes tremendo de frio e morrendo de fome, com certeza tem um coração endurecido e amargo. Não gostar de um animal que só pede cuidados mínimos e retorno do amor que oferecem, é no mínimo falta de caridade. Muito me espanta, que nós é que sejamos os animais ‘racionais’ da história.
Depois as pessoas ficam falando que o clima não é mais o mesmo, que faz frio onde deveria fazer calor e vice-versa, que perderam tudo do nada que sempre reclamam que não tem por causa de uma enchente ou outro fenômeno climático qualquer sendo que, a natureza só está cobrando seu preço por tantos maus tratos, tanto desrespeito que vem sendo dispensados à ela ao passar do tempo.
Não estou dizendo que as pessoas merecem passar por essas tragédias, mas venhamos e convenhamos que elas poderiam aprender à respeitar o meio ambiente de uma maneira mais fácil e menos dolorosa, não é?
E o meio ambiente não é só a Amazônia, não são somente as florestas, os rios. O seu animal doméstico faz parte do meio ambiente, o animal que você abandona na rua também. Entendo que uma ninhada de filhotes em um lar que não é abastado ou ter que se mudar para um lugar menor que não tenha espaço para seu animal, realmente é um problema. Mas deixá-los na porta de alguém (que não tem nada a ver com a sua irresponsabilidade em não castrar seu animal) ou na rua não é uma solução. É um ato monstruoso, porque você está abandonando uma vida. Vamos pensar da seguinte forma, você está com sérios problemas financeiros ou tem que se mudar de uma casa com quintal para um apartamento e tem quatro filhos. Por um acaso vai deixar dois ou três na porta de alguém? Sim, estou comparando crianças com animais, afinal, todos são seres vivos e merecem respeito, carinho e atenção igualmente. Se você não pode dar isso a eles, não os tenha. Nem filhos e muito menos animais (que por mais que eu pense o contrário, ainda são os irracionais dessa patacoada).

P.S.: Os filhotes conseguiram um dono, que diferentemente da maioria das pessoas daqui, ainda valorizam a vida, seja ela de um ser humano ou de um animal.

Um comentário:

Silvana Villas-Boas disse...

Puxa Hélia...

Me enterneci com teu texto..... É verdade, devemos também ter piedade e ajudar os animais irracionais e nunca praticar tamanha atrocidade. Também já presenciei uma maldade semelhante, mas no caso eram alguns gatinhos que foram jogados perto de um rio próximo de minha casa. Todos se afogaram dentro de um saco.
Fiquei pasma com tanta crueldade com os gatinhos.
Parabéns pela escolha do tema.
Bjuss
Silvana